Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Imaem noticias

Notícias

Farmacêuticos comunitários europeus saúdam iniciativa Comissão Europeia sobre escassez de medicamentos

26 Outubro 2023
As medidas anunciadas pela Comissão Europeia para mitigar o problema da escassez de medicamentos foram bem recebidas pelo Grupo Farmacêutico da União Europeia (PGEU), que tem vindo a solicitar medidas mais ousadas e ambiciosas neste domínio. Os farmacêuticos comunitários europeus consideram que as iniciativas agora anunciadas podem ajudar a evitar outro período grave de escassez de medicamentos, como aquele que ocorreu no inverno passado com os antibióticos, que pode comprometer não só a saúde pública, mas também a confiança dos cidadãos.

O PGEU apoia o apelo lançado pela Comissão Europeia aos Estados membros para monitorizarem e fazerem cumprir as regras e obrigações das empresas de abastecer o mercado com quantidades adequadas de medicamentos, para criação de uma lista de medicamentos críticos e de um mecanismo de solidariedade voluntária.

"Apoiamos também a flexibilidade regulatória para mitigar a escassez, o fortalecimento da coordenação da União Europeia, a melhoria da previsão da procura e da oferta, bem como as medidas propostas a longo prazo para aumentar a segurança do abastecimento”, diz o PGEU em comunicado.

A organização recorda, contudo, que a constituição de reservas estratégicas não deve comprometer o abastecimento do mercado, nem gerar desperdício desnecessário, o que pode ser resolvido garantindo a rotação de stocks na reserva estratégica para evitar que os produtos ultrapassem os seus prazos de validade.

"Saudamos as medidas de curto e longo prazo propostas hoje pela Comissão Europeia para resolver a escassez de medicamentos. A pesquisa anual do PGEU confirma que existe escassez em todos os países da EU, de todos os tipos de medicamentos, causando prejuízos aos doentes, desperdício de recursos e frustração. Todos os dias, passamos horas a gerir a escassez e encontrar soluções para garantir a continuidade do tratamento dos nossos utentes. Precisamos de mais informações oportunas e comunicação eficaz sobre a escassez para gerir melhor o atendimento ao utente, tranquilizá-los e promover o uso seguro e racional de medicamentos. Como farmacêuticos comunitários, estamos prontos para usar nosso conhecimento e experiência para ajudar a mitigar a escassez de medicamentos de todas as maneiras que pudermos, inclusive através da manipulação de preparações farmacêuticas quando autorizado a fazê-lo pelas autoridades nacionais”, disse o presidente do PGEU, Koen Straetmans, citado em comunicado.