Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Dia Mundial da Segurança do Doente
Dia Mundial da Segurança do Doente

17 de setembro foi o dia escolhido na 72ª Assembleia Mundial da Saúde da OMS para assinalar o dia mundial da segurança do doente, deixando assim bem claro a prioridade que este tema apresenta no âmbito da saúde global. 
  


 

Para este ano, e reconhecendo que os erros relacionados com medicamentos são das principais causas de danos evitáveis ​​nos cuidados de saúde em todo o mundo, a OMS selecionou "Medication Safety” como tema e "Medication Without Harm” enquanto slogan desta campanha mundial.

Assim, o Farmacêutico, profissional de saúde envolvido em todo o ciclo do medicamento, desempenha um papel fundamental na garantia da segurança de todos os cidadãos que utilizam esta e outras tecnologias de saúde.
 

 



De acordo com a OMS, más práticas na saúde e erros de medicação são as principais causas de problemas evitáveis nos cuidados de saúde em todo o mundo. Por outro lado, os erros de medicação ocorrem quando sistemas de saúde fracos e fatores humanos afetam a prescrição, distribuição, administração, dispensa e monitorização, podendo levar a consequência graves, como incapacidade ou mesmo a morte.  

Um dos objetivos fundamentais dos serviços farmacêuticos para com a sociedade e com os cidadãos é garantir o uso seguro e adequado de medicamentos e produtos de saúde, através da intervenção do farmacêutico em todas as fases do circuito do medicamento, desde a investigação e desenvolvimento até à gestão dos resíduos.  

Segundo a OCDE, as falhas na segurança que desencadeiam hospitalizações representam 6% do total de dias de internamento hospitalar (camas) e mais de 7 milhões das admissões hospitalares. Estima-se que estas falhas representem 2,5% das despesas em saúde dos cuidados primários e ambulatórios, sendo as falhas mais prejudiciais para o doente os erros relacionados com o diagnóstico, a prescrição e o uso de medicamentos.  

Por outro lado, importa refletir sobre o crescimento exponencial de doentes polimedicados em Portugal. Estes doentes apresentam um maior risco nos cuidados primários e em ambulatório, existindo estudos que demonstram que um acompanhamento próximo poderá traduzir-se em menores custos para o Sistema de Saúde e diminuir os riscos inerentes. A revisão terapêutica de idosos polimedicados feita por farmacêuticos comunitários gerou benefícios de saúde para os doentes (em QALYs) e a nível económico teve um impacto positivo de 273€ por doente por ano. Além disso, a relação custo-benefício revelou que cada 1€ investido no acompanhamento terapêutico realizado por farmacêuticos gerou um benefício de 3,3€ a 6,3€.  

Desta forma, é fundamental o papel do farmacêutico na promoção da correta utilização do medicamento, evitando interações e efeitos adversos, quer a nível hospitalar quer a nível comunitário, contribuindo para a segurança da população. 
 

A Secção Regional do Sul e Regiões Autónomas da Ordem dos Farmacêuticos, em conjunto com a Sociedade Portuguesa de Literacia em Saúde, assinala esta data com uma campanha digital, para que o farmacêutico tenha a possibilidade de ser um agente de saúde pública nesta matéria e dinamizar ações de sensibilização junto da sua comunidade.

Para tal, partilhamos  brochura realizada para a divulgação local e nas redes sociais.

Imagens para as redes sociais

Se desejar partilhar esta campanha nas redes sociais, poderá fazê-lo através das imagens disponíveis através do social media toolkit.